segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

SPFW: 29/01 - sábado

Line- UP

01 - 12:30 horas - REINALDO LOURENÇO
02 - 15:30 horas - GHETZ
03 - 16:30 horas - ELLUS
04 - 17:30 horas - NEON
05 - 18:30 horas - NEON
06 - 20 horas - AMAPÔ
07 - 21:30 horas - ALEXANDRE HERCHCOVITCH (FEM)



Marca: Reinaldo Lourenço             
Styling: Reinaldo Lourenço
Beleza: Fatima Thomas e Fabiana Gomes (make) e Ricardo Rodrigues para Studio W (cabelo)
Trilha: Max Blum
Tema: Pérolas da noite, alta-costura e festas privés dos anos 30
Cartela de cores: Preto e offi-white
Materiais: Couro, pele, tule, mousseline, cetim, gabardine de lã e feltro
Formas:  Comprimentos longos ou na canela, modelagem seca nos vestidos e ampla nas golas
Highlights: Que chique que foi essa coleção. Esse era o comentário geral pós-desfile. E foi mesmo. Reinaldo mostrou toda sua expertise com formas e estruturas e um acabamento exemplar, especialmente nas peças bordadas. Ele desconstruiu a alfaiataria de forma que o smoking virou uma estola, um colete ou uma maxigola; o trabalho com o couro em tiras deu movimento às roupas, formando babados estruturados. Peças “to die for”: os vestidos de tiras de couro e os bordados com pérolas. Mesmo em meio a tanto luxo, ainda há os bons básicos, como calças e paletós de alfaiataria. Impecáveis, claro. (Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)

Marca: Ghetz
Estilista: Lucas Nascimento 
Direção criativa: Giovanni Bianco
Styling: Daniel Ueda
Beleza: Daniel Hernandez
Trilha: Giovanni Bianco e Wilson
Cartela de Cores: Vermelho, preto, cinza, roxo, berinjela, gelo
Formas: Vestidos justos, leggings de lã, pantalonas amplas plissadas
Highlights: A Ghetz é uma empresa especializada em tricô de luxo que faz sua estreia na SPFW e, para isso, chamou o atual príncipe do tricô, Lucas Nascimento e o diretor criativo Giovanni Bianco para desenvolverem a coleção. É impressionante o que o tricô pode fazer e os efeitos possíveis graças a tecnologia. Tudo tem o conforto de uma peça de tricô, mas com novas texturas, modelagens e estruturas. O destaque fica por conta dos ótimos casaquinhos e paletós.(Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)


Marca: Ellus                
Estilista: Adriana Bozon e Rodolfo Murilo de Souza
Styling: Mauricio Ianes
Beleza: Robert Estevão
Trilha: Nick Graham Smith
Cartela de cores: Preto e branco
Materiais: Denim, couro, cetim, paetê e pele
Formas:  Justas, calças ultraskinny, vestidos curtos, minissaias, plissados
Highlights:  Ao chegar na sala da Ellus um cinema havia sido montado no lugar da habitual passarela. Criado pelo fotógrafo Jacques Dequeker, que abriu recentemente a produtora Cavallaria Filmes, o filme 3D que apresentou a coleção da Ellus, vai na cola do que tem rolado na Europa já há algum tempo e foi transmitido ao vivo nos cinemas dos shoppings Iguatemi, em SP, e Fashion Mall, no Rio. Aqui a estrela é a modelo Aline Weber, que no cenário futurista, lembrava a Barbarella de Brigitte Bardot. A trilha também foi fundamemtal para ajudar o público a mergulhar na viagem proposta pela marca. Efeitos à parte, a Ellus quer, cada vez mais, marcar presença no terreno do jeanswear “de luxe”. Entre os destaques estão o leather denim, que tem acabamento de couro e o Luminatto Jeans, que brilha no escuro.(Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)


Marca: Neon                
Estilistas: Dudu Bertholini e Rita Comparato
Styling: Dudu Bertholini e Rita Comparato
Beleza: Lau Neves (make) e Paulo César Schettini (cabelos)
Trilha: André Juliani
Cenografia: Menegazzo Design e Arquitetura
Tema: Boemia subversiva, surrealismo
Cartela de cores: Preto, vermelho, bloco de cores, estampa We Love Neon. Em vez das estampas usuais, a marca usou outras maneiras de colorir as roupas, como em bordados e aplicações
Materiais: Seda, tafetá, gorgurão, malha, plush, jérsey, couro, camurça, veludo, tricô, crepe e linho
Formas:  Silhuetas muito justas, no caso de vestidos e bodies; maxi nos caftãns e quimonos; correta nas peças de alfaiataria, como nas calças e paletós
Highlights: A Neon sai de sua zona de conforto e procura se reinventar com uma coleção pontuada por elementos surrealistas. Portanto, o humor ainda está lá, assim como a cenografia teatral e uma música romântica na trilha, que eles adoram (“Latest Trick”, hit do Dire Straits nos anos 80, abriu o desfile), além do clima de glamour cinematográfico. Já as roupas trazem poucas estampas, que são substitídas por bordados, aplicações e efeitos gráficos e coloridos. A brincadeira com o surrealismo resultou em um vestido-óculos, desenhos de mãozinhas safadas, botões de coração e megacaftans, em especial o usado por Samira. Não há nada de básico na coleção e, nisso, eles se mantiveram fiéis ao DNA da marca.(Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)



Marca: Amapô   
Estilistas: Carolina Gold e Pitty Taliani
Styling: Carolina Gold e Pitty Taliani
Beleza: Ricardo dos Anjos
Trilha: DJ Kbeça
Cenografia:  Gustavo Menegazzo
Tema: Megamix de inspirações (heras trepadeiras, princesas das trevas, confusão mental, floresta infernal, Linking Park...)
Cartela de cores: Mistura de cores e duas estampas: “Segredo do Abismo”, criada pela cantora Cibelle, e “Tapeçaria”, de Fábio Gurjão
Materiais: Jeans pintado à mão, paetês tridimencionais, veludo, seda
Formas: Desconstruídas, calças justíssimas, tricôs e vestidos amplos
Highlights: Energia, ironia e humor fazem parte do dna da Amapô. Desta vez não foi diferente, mas essas características foram potencializadas por uma ótima coleção, cheia de vigor. As meninas desconstroem a alfaiataria de maneira inteligente e divertida, deslocando a gola da camisa para a barriga, as lapelas dos ternos e fazendo cintos de gravatas ou várias camisas em uma. Há muitas texturas, materiais e cores em uma só peça, como o paletó com manga de tricô de lá colorida e ainda recursos artesanais, como o jeans pintado à mão. Destaque para a coleção - e para o casting ;) - masculino.(Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)



Marca: Alexandre Herchcovitch     
Styling: Maurício Ianes
Beleza: Celso Kamura
Trilha: Max Blum
Tema: Rochas vulcânicas, magma, vulcões, sedimentos de rocha; a força violenta da natureza
Cartela de cores: Preto e tons de cinzas, com pontos de amarelo enxofre
Materiais: Cetim de seda envelhecido, chiffon de seda, cashmere e renda
Formas: Calças desconstruídas, saias assimétricas, barras que se arrastam pelo chão, cinturas no lugar, mangas amplas
Highlights: Uma coleção com emoções contidas, assim como um vulcão pronto para explodir. O clima é denso, marcado por uma trilha que acompanha a atmosfera. Barras que se arrastam pelo chão e braços presos, como na Luciana Curtis, traduzem as inspirações principais do desfile. Lindo o contraste entre tecidos, cores e formas e a maneira inteligente como Herchcovitch constrói sua história para o inverno, sem jamais perder sua identidade e ainda se dando espaço para experimentar. É sóbrio, escuro e muito sofisticado.  (Texto retirado na íntegra do site ffw.com.br)


 (fotos: reprodução / divulgação)