segunda-feira, 10 de maio de 2010

Famosas It Bags... escolha a sua!




Birkin
Ela tinha 20 anos quando protagonizou em um filme não erótico a primeira cena de nu frontal do cinema, em Blow up (1966), de Michelangelo Antonioni. Três anos mais tarde, já casada com o cantor Serge Gainsbourg, sua voz eclodiu para o mundo ao dividir com o marido a sensual gravação, em francês, de 'Je t'aime moi non plus'. Só por essas razões Jane Birkin já seria uma musa-it bag diferente das outras. Não era princesa nem mulher de presidente. Seu glamour vem do contrário: era a garota sem protocolo, linda e ousada dos anos 60. E conseguiu o que nenhuma outra conseguiu: foi a única que teve uma bolsa criada somente para homenageá-la.
Em 1984, Jane Birkin estava num vôo entre Paris e Londres, quando os papéis de sua bolsa caíram no chão. Coincidentemente, quem sentava ao seu lado era Jean-Louis Dumas, então diretor executivo da Hermès, que, ao presenciar o incidente, prometeu criar uma bolsa grande o suficiente para carregar tanta coisa e bonita o bastante para representar a grife. E foi assim, a partir das especificações de funcionalidade de Jane, que sonhava com uma Kelly maior e menos estruturada, que nasceu a Birkin. Mais larga, com alças duplas e o mesmo sistema de fecho da irmã mais velha, o modelo se tornou um dos maiores tesouros da Maison.
De pele de bezerro, couro natural ou de avestruz - e internamente forrada com couro da exata cor da parte exterior -, a lista de espera por uma delas chega há dois anos. Isso porque um artesão pode levar até 25 horas para confeccioná-la, com um único corte de couro. No desfile outono/inverno 2009/2010, a bolsa ganhou das mãos de Jean Paul Gaultier, diretor artístico da grife, uma versão divertida, com alças desenhadas na parte da frente. E este não foi o primeiro modelo by Gaultier. Em 2004, o estilista lançou a Birkin Shoulder, com alça mais alongada e fina.
Objeto de desejo indiscutível, o modelo foi coadjuvante de um episódio de Sex and the city, quando Samantha Jones (Kim Cattrall) usa como pretexto ser assessora da atriz Lucy Liu, que estrelou o filme As panteras, ao lado de Drew Barrymore e Cameron Diaz, para furar a fila de espera e arrebatar sua Birkin. Na vida real, a bolsa também é personagem de algumas boas histórias. Entre as celebridades, Victoria Beckham tem uma de cada cor - especula-se que a mais cara delas, com detalhes de diamantes, tenha custado US$ 80 mil. A da atriz Lindsay Lohan, mais conhecida em Hollywood por suas noitadas, internações e namoros complicados do que pelos filmes que estrelou, virou notícia ao ser roubada em Londres com US$ 1 milhão em jóias dentro dela.
Nenhuma história, no entanto, é tão pitoresca quanto à do maquiador americano Michael Tonello, que descobriu um jeito de furar a fila de espera para conseguir uma Birkin. Ele estava numa loja da grife comprando alguns dos Carrés, os tradicionais lenços de seda, e, por acaso, perguntou à vendedora se não havia uma Birkin disponível. Num estalar de dedos, ela voltou do estoque com uma bolsa. O maquiador percebeu então que era só comprar alguns produtos na loja para conseguir a Birkin - e ele as revendia com um lucro que podia chegar a US$ 10 mil. Durante cinco anos o truque foi aplicado até que a grife proibiu Tonello de comprá-las. O maquiador contou a saga no livro Bringing home the Birkin (www.bringinghomethebirkin.com).
Fonte: Revista Marie Claire

Nenhum comentário:

Postar um comentário